domingo, 24 de julho de 2011

Corações de Papel

Lembro-me de olhar para ti com fascínio, de decidir que serias tu o meu conto de fadas. De gritar aos ventos que estava apaixonado, e de contemplar mil flores em pleno Inverno. De me invejarem as estrelas o brilho dos olhos, e de sentir os teus braços como conchas. Lembro-me de acordar a sorrir, de abraçar a almofada e sentir o teu cheiro. De dar-te as mãos e pensar-me capaz de voar, de te abraçar com muita força e sentir-me pouco apertado. Lembro-me de um dia te entregar o meu coração. De ser tão teu, e de me mostrares mundos feitos em origami. De dar-te mil beijos repetidos e sorrir tontamente, de me adocicares as noites e de me fazeres adormecer magicamente. Lembro de um dia... me ter apaixonado.

6 comentários:

  1. Essa sensação vive comigo há anos. É preciso saber não deixar apagar a fogueira.
    Adorei as palavras.

    ResponderEliminar
  2. Muito bom... amachucar papel tem um som caraterístico que adoro sentir... imagino o será amachucar um coração de papel...

    ResponderEliminar