terça-feira, 8 de fevereiro de 2011

Expressões derramadas



Adorava poder recordar-te com um sorriso na cara...
Não compreendo o que se alterou em mim, o que se alterou em ti, o que se alterou em nós.
Tenho vergonha de me olhar ao espelho, sinto-me sujo.  Entreguei-me a ti em demasia e agora ainda sinto restos do meu corpo em ti, restos que pareces olhar com orgulho.
Talvez nos tenhamos acostumado demais um ao outro e tornado as coisas banais. 
Não te quero acusar, talvez nem saibas o que se passa contigo, connosco...Mas sinto que não és a pessoa que conheci antes.


Éramos tão felizes. Vivíamos momentos incríveis, em lugares nossos, lugares que antes tinha explorado sozinho por precaução. Afinal não queria que nada corresse mal, tinha de te impressionar. Mas ironicamente acabava sempre eu impressionado. Conseguiste soltar-me os melhores sorrisos que já tive, as melhores lágrimas de felicidade, despertar o maior amor que havia dentro de mim. Sentir os nossos perfumes fundirem-se, sentir a tua pele como se fosse a minha. O nosso sonho de aquecermos os pés um ao outro quando fossemos velhinhos... Eu queria tanto fazer-te Feliz! Tinha tanto gosto em Nós. Éramos "perfeitinhos", palavras outrora tuas...
Agora sinto-me limitado.


Agora apenas vejo uma mancha de café derramada no mapa que íamos construindo. E sabes os meus passados? Aqueles que odiavas por me terem feito mal... Tem-me visitado. Como se fossem abutres e quisessem aproveitar-se dos meus restos.

Gostava que não houvesse mais noites... As noites destroem sempre toda a barreira que construí durante o dia.


Mas obrigado, obrigado por todas as coisas boas que me deste.

14 comentários:

  1. Gosto muito da musica que tens a tocar no teu blog. :)

    ResponderEliminar
  2. Oh, és um querido, também tenho saudades tuas <3

    ResponderEliminar
  3. Se essas voltas te desorientaram e fizeram com que perdesses um pouco de ti só precisas de te encostar a uma parede e escorregar até sentires o chão. Agora respira, aguenta mais um pouco e tranquiliza-te. Só precisas de ganhar forças. E quanto aquele bocadinho de ti que perdes-te, talvez não fosse assim tão teu como pensas. Talvez fosse apenas um acréscimo de personalidade que ora a gente ganha, ora a gente perde :)

    ResponderEliminar
  4. quanto a este post, gostei imenso! A história, o envolvimento, o calor ... será que não dá mesmo para alterar esse final?

    ResponderEliminar
  5. Tesouras, fósforos, tenta de tudo, mas não deixes que a sociedade te engula. Por favor.

    ResponderEliminar
  6. gata* siiiim i kno merci! gosto muito dela!
    lovely post

    ResponderEliminar
  7. Talvez tenha sido um sinal que não era a pessoa realmente certa para ti. Tenho a certeza que um dia a vais encontrar e aí sim vais voltar a sorrir de novo e vais sentir que o teu coração realmente se completou. Não desistas, NUCA, Pedro!

    Beijinho,

    Mariana :)

    ResponderEliminar
  8. Sabes que amo este texto e ja sabes as razoes.
    E sabes que estou sempre aqui


    Dania ♥

    ResponderEliminar
  9. adorei o texto. enquadra tão bem como eu me estou a sentir! parabéns. :)

    ResponderEliminar
  10. Muito profundo, muito maduro. Tens mesmo muito jeito!! Fiquei perplexa quando soube que este blog era teu, muito bom mesmo! :)

    Mariana

    ResponderEliminar
  11. Muito bem descrita, a ausência de deslumbramento. Tens muito jeito com as palavras.

    ResponderEliminar