domingo, 6 de fevereiro de 2011

Ácidos

Arranca-me a pele, a carne... destrói-me os ossos, saboreia-me bem. Quando estiveres de estômago cheio e de alma saciada ainda há-de sobrar algo de mim e aí dar-te-ei a provares do teu próprio veneno ou de compostos muito idênticos... Ver-me-ás sorrir muito levemente enquanto te vejo corroeres, e depois...depois dou-te um leve beijo para te tentar e corto-te a cabeça...

                                          Digo e escrevo, que este é o post mais feio 
                                         do meu blog mas que até tenho carinho por ele,
                                                                     Um Pagão

6 comentários:

  1. Isso anda mau :\
    Um post completamente cheio de desdenho.
    Mas tem o seu je ne sais quoi :)

    ResponderEliminar
  2. Ingredientes deste post:
    - Ácido q.b.
    - Amargo na boca à discrição
    - Desdenho com demasia
    - Uma pitada de Fascínio
    - Alma aberta para o ler
    - Palavras certas aos molhos
    - Pessoas indicadas para o ler

    Gostei!

    ResponderEliminar
  3. adoro como introduziste num acto tão cruel uma beleza muito propria, percebo porque tens carinho por ele, mas já tenho saudades dos teus textos mais alegres, está na hora de sair da sombra ;)

    ResponderEliminar
  4. ai meu bem! onde foste buscar esse acre?
    todo este sentimento metafórico que lhe atribuíste, de que se deve pagar corpo por corpo , pele por pele... é demasiado para este meu sentido, ainda fidedigno ao amor, compreender.
    ...
    Respondendo ao teu comentário, espero que não sintas mesmo este meu lado. Nem o queiras sentir. Se um dia sentires este elo de ligação, que o sintas em pleno, é o que te desejo! :)

    ResponderEliminar
  5. Agressivo, mas muito bom também! Ainda bem que escreves sobre todo o tipo de sentimentos, e partilhas. Todos nós os experimentamos nalguma altura da vida. E tu sabes expressa-los de uma forma excepcional ;) gostei de me rever neste também!:)

    Mariana

    ResponderEliminar