sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

Máscaras


Espetara-lhe um punhal no peito. Um punhal ornamentado em diamantes que por breves instantes se tornaram em rubis. 
As lágrimas que escorriam pelo seu rosto pálido, de flor acabada de desabrochar, eram apenas uma expressão da dor que sentia por ser traída. 
O seu sangue de um encarnado vivo que lhe escapava pelas suas pequenas mãos delicadas, pouco lhe importava. Nada mais lhe poderia tirar. 
Antes roubar-lhe o corpo do que prender-lhe a alma.

8 comentários:

  1. triste, mas belíssimo, gosto muito (:

    ResponderEliminar
  2. até um acto vivamente doloroso consegues torna-lo encantado...

    ResponderEliminar
  3. Uma estória' bonita. As coisas tristes também tem seu lado belo.

    ResponderEliminar
  4. nem que levemos a vida inteira à procura! lool

    ResponderEliminar
  5. e apesar de ser uma história melancólica é muito bonita. as coisas belas também magoa. escreve muito bem

    ResponderEliminar
  6. É esse aconchego que nos aquece o coração. E tão bem que nos faz! :)

    ResponderEliminar