terça-feira, 30 de novembro de 2010

Árvores que dançam e falam

Parei, olhei, sorri. Sabia que estavas perto. Tentando alcançar a tua presença vi que a rua estava totalmente deserta. Mas eu tinha a certeza que estavas perto! Até podia não ser fisicamente, mas eu sentia a tua presença e sabia que eras tu. Nada me faria parar no meio daquela rua fria, com o coração a dançar, e só tu eras capaz de me fazer soltar um sorriso naquele momento.
- _________ és tu?
O vento soprou e as árvores falaram.
- Eu sei que estás aí _________, tenho saudades tuas... Aparece! - tentei eu impor-me perante ti.
Mas a teimosia fazia parte de ti e adoravas meter-te comigo.
- Dá-me um abraço. Por favor, tenho tantas saudades tuas. Porque me deixaste?
O vento soprou mais uma vez e as árvores falaram.
- Ai é? Então vou deixar de falar contigo todas as noites!
Era uma ameaça impossível, nunca o faria, precisava do teu conforto antes de adormecer.
- Sabes o teu pequeno gato, o Tobias? Arranjou uma namorada. Agora andam sempre os dois juntos, parece que somos nós.
Sorri ,e o vento voltou a soprar e as árvores a falarem.
Verti uma lágrima.
- Desculpa, tentei ser forte, mas sinto a tua falta...a nossa falta.
Perdi a força nas pernas e deixei-me cair de joelhos no chão e chorei.
- Não aguento mais _________, por favor vai-te embora,  não consigo viver agarrado a ti.
Senti um leve beijo teu e um abraço.
E o vento não soprou mais e as árvores não falaram mais...

sábado, 27 de novembro de 2010

Chá de Maçã e outras coisas mais...


Prende-me o pescoço e tenta beijar-me, lança-me mil feitiços, faz-me prisioneiro nas tuas masmorras, canta, grita e tenta controlar-me. Eu não sou teu e resisto as tentações que me tentas provocar. Sou mais do que pensas, ou que queres acreditar...

sábado, 20 de novembro de 2010

Romã


-Uma semente, mais uma semente, e mais uma semente... Humm sabe a amor!
-Colhes uma romã daquela árvore para mim? Tenho sede de amor...
-Colho todas as que houver!

terça-feira, 16 de novembro de 2010

Vamos dormir?



Levanto-me de noite, ainda com a íris adormecida.
Percorro a casa descalço, passo a passo, como se me tentasse equilibrar. Abro a janela, olho para a Lua e humidifico a garganta seca com um copo de água disfarçada de cristais. Uma pequena filha dos ventos do Este sopra-me ao ouvido, como se me tentasse dizer algo, e eriça-me os pequenos pêlos dourados dos braços.  As estrelas irradiam uma luz com intensidade, dois gatos brincam no telhado de uma antiga casa, um casal apaixonado desfila dando mais vida aquela velha rua adormecida. Uma folha dança pelo céu deixando-se cair de maneira a que não se magoe. E uma nuvem, quase transparente, tenta camuflar a Lua, mas cheia de vergonha, rapidamente desaparece.
E eu, volto passo a passo, ter contigo. Deito-me ao teu lado, abraço-te e adormeço junto ao teu coração.

E o segredo é...

segunda-feira, 15 de novembro de 2010

Panoramas desiguais


- uma estrela!
- é um avião.
- não. são mundos diferentes…



Saltando de rocha em rocha, encobrindo a nudez do nosso corpo, gritavamos aos Deuses que nos guiavam até à terra perdida. Onde o tempo parava, onde o ar explodia, onde o Corpo fazia parte da Alma e onde nenhum olhar indiscreto perturbava o silêncio daquela Luz.

Numa dança ofuscante que roubava os raios de Sol engolidos pela Lua, brindavam-nos as estrelas que chegavam até nós, desfilando lentamente, por uma penumbra que desaparecia e dava lugar a noite. Tão lentamente como se tentassem criar uma ansiedade por chegar aquele momento, mas o tempo não existia... e tudo era o nosso momento.


domingo, 14 de novembro de 2010

E o vento sopra...


Falas mal dos ventos como se fossem os culpados dos teus problemas. Mas quando eles deixarem de soprar, sentirás falta dos beijos frescos que te passavam pela cara... 

hey


Abre a porta. Sê o primeiro a entrar, senão, o seguinte...

Bem Vindos